O PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E OS TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM

 

A figura do professor de Educação Física é muito importante nos pacientes portadores de Distúrbio Proprioceptivo. Pena que poucos profissionais se interessem pelo tema.

Muitos profissionais confundem e acabam encaminhando para o Psicomotricista e, são trabalhos diferentes. Ambos são importantes, cada um na sua área.

 

Aqueles que acumulam as funções de Professor de Educação Física e de Psicomotricista devem executar estes trabalhos em horários diferentes. O foco de atenção de cada área, embora similar, difere quanto ao objetivo principal.

Os Professores de Educação Física devem atentar para que o portador do Distúrbio Proprioceptivo:

- tenha uniformidade bilateral no desenvolvimento da musculatura. O portador de Distúrbio Proprioceptivo (com repercussão dislexica ou não), na maioria das vezes desenvolve muito a musculatura de um dos lados. Pior, às vezes é incentivado por esportes que utilizam mais um dos lados.

- desenvolva (ou reinicie) conceitos básicos do andar, engatinhar, rolar, nadar, saltar e pular. São indivíduos que utilizaram vias neurológicas acessórias para conseguir executar estas ações. Ou seja, eles fazem estes movimentos mas não de maneira adequada.

- desenvolva noção de distância relativa entre objetos e entre objetos e o próprio corpo no plano tridimensional.

 

- desenvolva noção de distância relativa entre objetos e entre objetos e o próprio corpo no plano bidimensional.

 

- desenvolva noção de altura relativa entre objetos e destes em relação ao próprio corpo.

 

- desenvolva conceitos de lateralidade

 

- desenvolva conceito de força relativa na execução de ações realizadas pelos pés e pelas mãos.

 

- desenvolva o conceito de "pega" e movimento físico realizado pelos pés e pelas mãos.

 

- promova o relaxamento da musculatura do pescoço

  

A literatura deste tema é pobre e encontra terreno fértil entre os estudiosos da Posturologia na França.

 

AIT-ABBAS L. Occlusion et posture de l'enfant. Toulouse. Mémoire pour le Diplôme Universitaire d'Occlusodontologie. 1992.
AUGE R. L'Ajustement proprioceptif chez les lombalgiques. Kinési. Scient. N° 122 19,30
BARBIER L. Posture et statique chez l'enfant. Étude statistique réalisée en milieu scolaire. Paris
Archives du C.I.E.S. 367 av. du Prado Marseille 13008. 1994.
BARON J.-B, GAGEY P.- M., ASSELIN B. , USHIO N. , les Asymétries de la posture orthostatique sont-elles aléatoires ? Rev. Méd. Travail 189-195 1977.
BERTHOZ A., GAGEY PM., SEMON A., VAN TICHELEN P., MARUCCHI ET COL. : Les troubles de l'équilibre Ed. Frison-Roche ISBN 2-87671-113-3.
BIZZO G, GUILLET N, PATAT A, GAGEY P-M. Spécifications for building a vertical force platform
designed for clinical stabilometry. Med Biol eng et Comput. 474-476 1985
BOUGROS. "Compte rendu expérimentation sur les semelles polarisantes".Hôp Cavaillon Sce Chir Archives du C.I.E.S. 367 av. du Prado 13008 Marseille.
BRICOT B. "Contribution à la correction des troubles du tonus postural par action sur l'appui podal". Marseille Thèse Fac. Méd. 1981 .
BRICOT B. La reprogrammation posturale globale Sauramps Médical ISBN : 2 84023 110 7.
DA CUNHA H.M. Le syndrome de déficience posturale. Agressologie 1987, 28, 941-943.
EUZET J.-P. "Approche méthodologique de l'évaluation de l'équilibre postural". Nice
Mémoire de maîtrise fondamentale - S.T.A.P.S./U.F.R.E.P.S. 1987.
GAGEY P-M, BIZZO G, BONNIER L, GENTAZ R, GUILLAUME P, MARUCCHI C. Huit leçons de posturologie.75012 Paris Association française de posturologie. 1990.
KOHEN-RAZ Learning disabilities and postural control. 1986.
PAILLARD J. Le corps situé et le corps identifié : une approche psychophysiologique de la notion du schéma corporel. Rev. Med. Suisse Romande 129,141 1980.